No Empório Gourmet você encontra temperos, especiarias, geléias exóticas, conservas, patês, antepastos, azeites, massas, molhos, cervejas, vinhos, etc.

Rua Curitiba, Esquina com Rua Rio Grande do Sul.

Fones: (46) 3055 5313 - 8805 4155

emporiogourmetpr@hotmail.com

terça-feira, 12 de julho de 2011

UM TOUR PELA BRASIL BRAU 2011!

Bom pessoal irei escreve esse post sobre minha percepção da XI Feira Internacional em Tecnologia Cervejeira, que ocorreu nos dias 05 à 07\07 no Transamérica Expocenter em São Paulo. Estive participando da feira com o intuito de estar fortalecendo o contato com as cervejarias, fornecedores, importadoras que estão nas prateleiras do Empório Gourmet, e fazendo contato com aquelas que ainda não estão em nossas prateleiras.
Primeiramente gostaria de dizer que ouvi muitas pessoas reclamando pela organização da feira, fato que acredito ser normal, quando falamos em feiras deste porte fica difícil ter uma organização que agrade a todos. Acredito que a organização foi suficiente, mas como sempre, não custa nada melhorar para a próxima. A única reclamação que tenho é em relação a alimentação no evento, essa sim, na minha opinião foi bem precária, tendo apenas uma opção e bem cara por sinal.
Em relação aos expositores do setor de insumos e equipamentos para os cervejeiros, acredito que o evento trouxe o que há de melhor no mundo para a feira. Para quem foi à feira procurando equipamentos e insumos, acredito que ficaram satisfeitos com os diversos estandes, onde o participante pode encontrar bolachas para cerveja, copos, garrafas, tampinhas, equipamentos prontos para a fabricação de cerveja artesanal, além dos melhores insumos para a fabricação de uma cerveja de verdade. Quem queria começar a fazer cerveja, deve estar fazendo agora, quem não pensava nisso, provavelmente esta com essa idéia fixa na cabeça.
O ponto forte da feira foi o Degusta Beer, (onde passei a maior parte do tempo). Com 30 microcervejarias expondo, foi o lugar mais movimentado durante todo o evento, ficava até complicado caminhar, ainda mais com o copo na mão, quem tinha sorte ainda conseguia uma mesinha para sentar. A primeira cerveja que experimentei foi a Bacuri da Amazon Beer, uma cerveja extremamente refrescante (não podia ser diferente para a região que é produzida), com adição da fruta Bacuri, essa da para beber durante a tarde toda. Posteriormente, fui para o estande da Cervejaria Colorado, louco para experimentar a Grão Pará. Para minha sorte assim que cheguei estavam preparando o barril para o pessoal degusta - lá. 
Aproveitando a proximidade com o estande da FalkeBier, estiquei o braço e experimentei a Monasterium cerveja de estilo Belga de Abadia, refermentada na própria garrafa, que utiliza em sua receita malte de cevada, malte de trigo e aveia. Apresenta aromas complexos, frutados, especialmente os cítricos, foi umas das que mais gostei (logo aqui no Empório Gourmet).
Outra cervejaria que me surpreendeu foi a Dama Bier de Piracicaba, vizinha da minha cidade natal Limeira, a surpresa ficou por conta da Stout. Dando uma meia volta, parti para a Cervejaria Bamberg, a qual também me deixou com vontade ficar parado ali, só bebendo a WeizenBock, uma cerveja doce, estupenda, não vejo a hora de do Alexandre engarrafar essa menina ai.
Bom na minha singela opinião, o evento estava espetacular, tirando os engravatados, o pessoal cervejeiro do Brasil está de parabéns, cada vez mais com inovações e novidades, não estamos devendo nada para as importadas.
Para fechar gostaria de mencionar as palestras que ocorreram no evento, todas de alto nível e com aquela pausa para o Beer Break, não podia ser diferente. Meus objetivos na feira foram cumpridos, conseguindo fechar com novas marcas, e conhecendo pessoas do meio cervejeiro nacional, agradeço ao pessoal da cerveja Insana de Palmas – PR, (Pedro,  Francelo  e  Evandro), ao Rafael Duarte aqui de Francisco Beltrão, por apresentarem alguns possíveis parceiros para o Empório Gourmet.
Espero estar presente na próxima, e provavelmente estarei presente no Festival Brasileiro da Cerveja em Blumenau, então até lá amigos, ou até a próxima. BEBA MENOS, BEBA MELHOR!





terça-feira, 21 de junho de 2011

Chegou o inverno!!!!



AGORA CHEGOU O INVERNO. NÃO TEM NADA MAIS GOSTOSO DO QUE FICAR EM CASA COM OS AMIGOS, DEGUSTANDO PRATOS QUENTES AO REDOR DE UMA LAREIRA. O EMPÓRIO GOURMET AJUDA VOCÊ COM ISSO. SÓ LÁ VOCÊ ENCONTRA A FONDUE DE QUEIJO SUÍÇO ORIGINAL, DIVERSOS TIPOS DE VINHOS E INUMERAS CERVEJAS QUE PODEM ACOMPANHAR MUITO BEM UMA FONDUE. PASSE AQUI, TEREMOS O MAIOR PRAZER EM LHE ATENDER BEM..

sexta-feira, 17 de junho de 2011

CAFÉ BRAÚNA. O CAFÉ DOS PRESIDENTES!!!

 








Os cafés nobres Braúna são produzidos há quase um século pela família Mattos. A primeira propriedade da família foi adquirida pelo Senhor Jorge Caetano de Mattos na década de 20. Desde então, a tradição se perpetuou pelas mãos de seus filhos e netos.
O início do trabalho foi difícil, a enxada era o principal recurso e o transporte era feito em carros puxados por bois. A família então buscou novas tecnologias. Começou adquirindo máquinas
para o processamento do café - que à época eram movidas a vapor - e tratores - os primeiros da região - até chegar à atual tecnologia de preparo de cafés especiais, através do processo de descascamento de grãos cereja.

O Café Braúna é oriundo de plantas selecionadas da variedade arábica. Os grãos são colhidos à mão e, após lavados, são separados pela maturação; apenas os grãos maduros (cereja) são utilizados. Estes grãos são comprimidos numa peneira para que a casca seja retirada e, em seguida, são secos ao sol em pátios. Este processo produz cafés extraordinários,  pois diminui muito o risco da fermentação e utiliza apenas  frutos maduros, fase esta em que o grão pode exprimir todo seu potencial de corpo, aroma e sabor..

Os Cafés Braúna também contam com o certificado de origem e qualidade da BSCA (Brazil Specialty Coffee Association) que, após laudo constatando a superioridade do café, emite selos
numerados que identificam em cada embalagem do café torrado o
 lote de café que foi usado. Desta forma, os Cafés Braúna levam aos seus apreciadores o conceito dos grandes vinhos,proporcionando-lhes a descoberta de nuances de aroma e sabor provenientes de cada safra.

http://braunacoffee.com/entrada.swf

quinta-feira, 16 de junho de 2011

Cerveja também é bebida para o inverno

 
Primeiramente, gostaria de pedir desculpas, pois estou um pouco desligado do Blog, mas prometo que irei dar mais atenção para ele. Segundo gostaria de esclarecer que este texto não é de minha autoria e sim da BeerManiacs, distribuidora de cervejas especiais, minha contribuição fica por conta apenas das cervejas Colorado e BodeBrown.Estou disponibilizando o mesmo, pois ja ouvi muitos falarem que cerveja não combina com o frio, mas isso, para mim não passa de "mito", pois como poderemos ver, existem cervejas próprias para se beber em dias frios, como é o caso do vinho "branco" (que dificilmente é bebido sem estar gelado) e o vinho "tinto" (que é indicado para ser bebido em temperaturas superior a 13Cº, ou seja é um vinho mais para os dias frios mesmo), e oque acaba por esquentar o corpo não é o tipo de bebida e sim o seu teor alcoólico.
O inverno está chegando, mas o frio já está aí. Volte e meia a temperatura despenca, anunciando que mais uma vez a estação mais gelada do ano está próxima. No entanto, não é por isso que você vai deixar de tomar a sua cerveja. A bebida também pode ser muito agradável no inverno. Existem estilos que, por suas características, servem muito bem à ocasião.

Diferente dos tipos mais adequados ao verão – normalmente leves, refrescantes e com sabores sutis – as cervejas de inverno são mais encorpadas e com sabores intensos. O teor alcoólico é também mais elevado, o que provoca uma agradável sensação de aquecimento. Aliás, muito bem-vinda nessa época!

Outra questão importante é o serviço. Cervejas mais “aquecedoras” são feitas para serem consumidas em temperaturas mais elevadas, geralmente entre 8ºC e 18ºC. O recomendado para as cervejas mais refrescantes é entre 5ºC e 8ºC.

É claro que não existem regras rígidas. Nada impede que se tome uma boa cerveja tipo Pilsner no inverno ou Bock no verão. É uma questão de gosto. Mas essas recomendações podem, com certeza, trazer uma boa e diferente experiência. Além de combater muito bem o frio.
Brooklyn Monster Ale (355 ml)
Uma ótima cerveja estilo Barley Wine, que em tradução livre quer dizer vinho de cevada, com 10.8% ABV. Aquecedora, traz aromas complexos, misturando aromas frutados e cítricos com madeiras e cereja. O gosto é doce e a sensação é licorosa na boca. No entanto, o final é seco, dando mais sede para um próximo gole.

Brooklyn Black Chocolate Stout (355 ml)
Essa Imperial Stout de 10,1% ABV é surpreendente. Densa, de uma cor preta opaca, traz além dos sabores torrados – café e chocolate, principalmente – a presença evidente de lúpulo, que lembra até um pouco de frutas vermelhas.
Wäls Dubbel (360 ml ou 750 ml)
As nacionais também estão no páreo. A mineira Wäls Dubbel é uma autêntica representante do estilo belga, sem ficar devendo nada para as importadas. Feita com cinco maltes diferentes, ela tem no dulçor sua principal característica, aliada a sabores torrados, como café e chocolate e ao corpo elevado. Também é possível sentir frutas secas e uma certa picância. O teor alcoólico é de 7,5% ABV.

Wäls Quadrupel (360 ml ou 750 ml)
Com 11% ABV, essa cerveja vai fazer você suar mesmo que a temperatura esteja abaixo de zero! Como uma clássica Quadrupel belga, ela é alcoólica, encorpada e frutada. Mas traz toques diferenciados. A brasilidade aparece na maturação, feita com chips de carvalho francês previamente embebidos em cachaça mineira. Também passa pelo processo de dry-hopping, que é a inserção de lúpulo no fim do processo para dar mais aroma, algo tipicamente aplicado às cervejas inglesas. Essa mistura dá origem a uma cerveja com personalidade própria, adocicada, aromática e de presença.

Colorado Demoiselle
Demoiselle, uma cerveja escura como a noite e que leva café na sua formulação. Esta cerveja Porter é feita com maltes importados da mais alta qualidade e o melhor café da região da Alta Mogiana. O nome Demoiselle é uma singela homenagem ao grande brasileiro Alberto Santos Dumont, cuja família era proprietária de fazendas de café na região de Ribeirão Preto. Nossa cerveja Demoiselle é da mesma forma uma cerveja elegante e simples para ser degustada com pratos defumados ou mesmo uma sobremesa de chocolate. É uma cerveja que combina muito bem com dias frios, pode ser servida após as refeições fazendo o papel do café, possui 6% Alc., o que possibilita um bom drinkability.

BodeBrown Wee Heavy
Clássica Scotch Ale, o ponto central desta receita é o malte, com aromas adocicados, tostados, maltados, turfados defumados e caramelados. Inspirada na receita tradicional de 1719 dos MongesBeneditinos, em terras escocesas (Castelo de Dunbar). Foi a medalhista de ouro no Canadá no  Mundial de La Bière 2011, desbancando cervejas do mundo todo. Com 8% Alc. é uma cerveja que cai muito bem em dias frios, aquecendo bem o corpo e a alma. Possui um aroma bem adocicado possibilitando uma boa aceitação pelo público feminino.


quinta-feira, 26 de maio de 2011

Bamberg Rauchbier


Hoje vamos falar sobre a Bamberg Rauchbier, detentora de algumas medalhas internacionais (2009 Medalha de Prata no European Beer Star, 2010 eleita pela revista Prazeres da Mesa como a segunda melhor cerveja disponível a venda no Brasil, entre nacionais e importadas dentre todos os estilos, 2010 Medalha de Prata no Australian International Beer Awards, 2010 Eleita “World Best Flavoured Larger” e “The Américas Best Flavoured Larger” no World Beer Awards 2010, Inglaterra, e para finalizar 2010 com chave de ouro recebeu medalha de ouro no Mondial de La Biere).
Bom depois de tantas medalhas vamos as características do estilo Rauchbier :  é um tipo de cerveja, produzida a partir de malte defumado. O sabor característico lembra aquele de carne defumada. Devido aos processos de produção, diversos tipos de cerveja antigamente eram Rauchbier, sendo atualmente uma especialidade, por exemplo em Bamberg  - ALE. Existem algumas lendas sobre o surgimento da Rauchbier. Por exemplo, no incêncio de uma cervejaria o malte armazenado foi contaminado por fumaça (em alemão: Rauch). O cervejeiro, muito pobre, vendeu mesmo assim a cerveja produzida com aquele malte, e ao contrário de suas expectativas o produto caiu no paladar dos consumidores, de tal forma que ele continuou a produzir cerveja com malte previamente defumado.

Bamberg Rauchbier






- Aroma: Presença marcante do defumado, além do caramelo, provenientes do malte.
- Aparência: Coloração marrom, com espuma persistente.
- Sabor: O defumado toma conta da boca, mas também possui notas de toffee, caramelo, e um leve amargor do lúpulo. Toda essa combinação nos propicia um final seco.
- Sensação na boca: Corpo médio, com média carbonatação.
Tradicional cerveja da cidade de Bamberg, onde o malte passa pelo processo de defumagem onde são utilizadas madeiras das florestas daquela região, é uma cerveja de baixa fermentação com 5,2% de teor alcoólico. Harmoniza com churrasco, feijoada, carnes de porco, carnes vermelhas, grelhados e com charutos. Temperatura ideal de consumo entre 6ºC e 10ºC

quarta-feira, 18 de maio de 2011

O que é Crostata.


Pois bem,  estamos fazendo essa postagem  por que percebemos que poucas pessoas sabem o que é a Crostata realmente, pois bem existem diversos tipos de se servir uma crostata, na Itália ela é servida mais como uma torta aberta com seu recheio exposto. Já aqui no Brasil, ela surge para acompanhar os antepastos, geléias e patês, mas sendo possível realizar uma infinidade de pratos com ela. Abaixo segue a descrição da Crostata Fatille;
Veneza e a ponte de Rialto somados às cores da bandeira da Itália, traduzem os valores e a qualidade da culinária italiana que nós da Fatille agregamos aos nossos produtos. Pretendemos ser uma ponte de livre passagem que permite diminuir distâncias e trazer um pedacinho saboroso da Itália à sua mesa: a Crostata.
Também conhecida como Pane Curasau ou Carta de Música, esta delícia da culinária italiana pode ser servida como acompanhamento a diversos pratos ou acompanhada com molhos, patês, antepastos e para se apreciar um bom vinho.
Crocante, leve e saborosa, a Crostata pode ser agregada a diferentes receitas para dar um toque todo especial e delicioso com a qualidade que só a Fatille traz para você. Para isso, disponibilizamos Crostatas com diferentes sabores: Limão e Pimenta, Queijo, Alho e Tradicional com azeite. Venha sentir o sabor deste pedacinho da Europa.

Fonte: http://www.fattile.com.br/

Bamberg Weizen


Como prometido anteriormente, vamos dar continuidade as explicações sobre as cervejas artesanais, nesse começo mostraremos os produtos da Cervejaria Bamberg eleita a melhor Cervejaria da América do Sul.

 - Aroma: Presença marcante dos ésteres (aroma de banana) e fenóis (aroma de cravo).
- Aparência: Coloração dourada, com espuma persistente e possui uma turbines natural por não passar pelo processo de filtragem e com isto ainda conter fermento.
- Sabor: Nota-se no paladar a banana e o cravo provenientes do processo de fermentação, além disso, tem-se um final cítrico que confere um equilíbrio aos sabores. Não é perceptível a presença de amargor proveniente do lúpulo.
- Sensação na boca: Corpo médio, com alta carbonatação.
Tradicional estilo da Bavária, na Alemanha, é uma cerveja de alta fermentação com 5,0% de teor alcoólico, refrescante, ideal para o verão brasileiro. A Bamberg Weizen é refermentada na garrafa e por isto não é pasteurizada, exatamente como este estilo é feito tradicionalmente no seu país de origem. Harmoniza com pratos leves, saladas, peixes, frutos do mar, culinária japonesa, porém culturalmente esta cerveja é consumida na Bavária com a salsicha branca (weisswurst) e Pretzel (Brezel). Temperatura ideal de consumo entre 4ºC e 6ºC